Diferença entre ressonância magnética e tomografia computadorizada

Início/Exames/Diferença entre ressonância magnética e tomografia computadorizada

Diferença entre ressonância magnética e tomografia computadorizada

Muitas pessoas se perguntam qual a diferença entre esses dois exames, ou mesmo entre eles e o raio-x, o que pode gerar certa apreensão antes da sua realização, por ser um procedimento desconhecido. Para sanar seus medos e suas dúvidas, elaboramos esse texto com a descrição de cada exame.

Primeiro, vamos falar o que os dois exames têm em comum. Ambos são exames de imagem e propiciam um retrato de órgãos e estruturas internas do corpo, permitindo que o médico avalie anormalidades e detecte alterações em estruturas e no funcionamento do nosso corpo.

Ambos os procedimentos são indolores e totalmente seguros. A produção de alguns sons durante o procedimento é normal, e é relacionada ao próprio funcionamento dos equipamentos. Uma equipe especializada irá te acompanhar por todo o processo, e estará atenta a qualquer solicitação ou intercorrência a qualquer momento. O segredo é manter a calma, pois os exames são rápidos e realmente importantes para sua saúde. O índice de complicações devido a qualquer um desses exames é muito baixo.

Quanto às diferenças, colocamos os principais pontos de cada exame em uma tabela para comparação de fácil visualização.

 

Tomografia computadorizada (TC)Ressonância Magnética (RM)
Radiação

Ionizante

Utiliza Raios-X, que é um tipo de radiação ionizante. Em crianças, adultos jovens e em gestantes, deve ser utilizado com protocolos de baixa dose de radiação.Não utiliza radiação ionizante. As imagens são geradas pela excitação de elétrons controlada por um forte campo magnético.
ObjetivoExcelente para a avaliação de estruturas ósseas, alterações pulmonares, pesquisa de pedra nos rins, inflamações no abdome, abscessos, hérnias na barriga, estruturas vasculares, pesquisa de aneurismas, trombose, etc…Melhor na avaliação de lesões em partes moles, articulações, cartilagens, tendões e ligamentos. Fornece uma avaliação melhor do cérebro e dos órgãos sólidos do abdome. Permite avaliações complexas e avançadas das mamas, próstata, tumores cerebrais, entre outros.
Formação de imagensO tubo da TC roda ao redor de um eixo, tirando múltiplas “fotos” em sequência enquanto a mesa onde o paciente está deitado se movimenta. Posteriormente, um computador une essas fotos, gerando uma imagem 3D da estrutura a ser estudada.A máquina de RM aplica um campo magnético alinhando os prótons das moléculas de hidrogênio gerando uma vibração que é detectada pelo aparelho. Um computador processa o sinal e gera uma imagem do segmento do corpo estudado.
TempoExame rápido, principalmente em aparelhos multislice. Geralmente uma aquisição de imagens demora menos de 1 minutos. Por vezes são necessárias mais de uma aquisição. Dificilmente um exame demora mais que 10 minutos para ser realizado.Exame mais demorado, levando em média de 30-40 minutos para o estudo de uma região do corpo..
ConfortoDurante a TC o paciente é colocado em uma maca e orientado a permanecer imóvel durante o momento em que as imagens estão sendo feitas. O aparelho, em forma de uma “rosquinha”, gira ao redor do corpo do paciente (o que muitas mexes é imperceptível), captando as imagens. O incômodo que pode haver é decorrente do posicionamento ou da injeção do contraste (quando necessário), mas como é bem rápido, dificilmente não é tolerado.Semelhante à TC, o paciente é colocado em uma maca e orientado a permanecer imóvel durante todo o procedimento (que é mais demorado). A diferença é que a maca é  colocada dentro de um tubo, no qual permanecerá por todo o exame, enquanto o aparelho forma as imagens orientadas pelos médicos. O desconforto que pode haver está relacionado a intolerância a ambientes com pouco espaço, tempo que precisa ficar imóvel e pela injeção do contraste (quando necessário).
Contra indicaçõesNão há contra-indicações absolutas. Raramente será realizado em grávidas. As contra-indicações, quando existem, estão mais relacionadas ao uso do contraste.

Existe um limite de peso que o aparelho suporta.

Paciente com implantes metálicos e marcapassos. Hoje já existem marcapassos, stents e próteses que podem ser utilizados dentro da RM. Sempre peça para o médico responsável pela colocação desses aparelhos o manual e certificado de garantia. Obesos mórbidos podem não caber na máquina. Importante lembrar que qualquer objetivo metálico em contato com o paciente pode causar lesão, portanto é importante removê-los antes do exame.

 

Apesar de os dois exames serem diferentes, em alguns casos ambos podem ser adequados. Muitos fatores podem ser decisivos para a escolha entre um exame e outro, como a tolerância do paciente, custo, história de alergia, experiência da equipe e facilidade de acesso, além das situações onde um apresenta grande vantagem no diagnóstico em relação ao outro.

Converse bem com seu médico sobre as indicações e contra-indicações dos exames antes de sua realização. Estar bem informado da indicação e de como funciona o procedimento a ser realizado permite uma maior tranqüilidade durante a execução e um melhor resultado.

Aqui na Tesla, disponibilizamos ambos os exames para uma atendimento mais completo a todo tipo de paciente. Nosso time de radiologistas especializados é referência em diagnóstico por imagem. Nós estamos disponíveis para explicar melhor os detalhes de cada procedimento, seus riscos e benefícios em cada situação. Noss principal objetivo é tratar nossos clientes com respeito e carinho atingindo a maior precisão no diagnóstico de cada caso.

Por |2017-10-03T02:31:46+00:0016 de outubro de 2017|0 Comentários

Sobre o Autor:

Avatar

Deixar Um Comentário