Radiação nos exames de Imagem

Início/Exame de imagens para gestantes/Radiação nos exames de Imagem

Radiação nos exames de Imagem

A radiação é onda eletromagnética que se propaga com velocidades diferentes. Todos nós estamos expostos a radiação constantemente. Ondas de rádio, luz, microondas, laser e raios X são exemplos de radiações. A radiação pode ser não ionizante ou ionizante, dependendo da sua energia. As radiações não ionizantes tem baixa energia.

Já as radiações ionizantes tem alta energia tornando-a capaz de alterar o estado físico de um átomo. Os aparelhos de Raios X, Tomografia Computadorizada, Densitometria Óssea e Mamografia utilizam um tipo especial de radiação ionizante, chamada de raios X, que tem a capacidade de atravessar corpos que a luz habitual não atravessa. Os aparelhos de Ultrassonografia e Ressonância Magnética não utilizam radiação ionizante.

Interessante saber que nos aparelhos de Raios X, Tomografia Computadorizada, Densitometria e Mamografia a radiação é gerada na hora do exame, por poucos segundos, apenas na hora de adquirir as imagens. Portanto, não há radiação ionizante emitida pelos aparelhos enquanto eles não estiverem acionados. Outro fato interessante é que o poder de penetração dos raios X é inversamente proporcional a distância percorrida pelas ondas, ou seja, quanto mais distante você estiver do tubo que emite a radiação, menor a capacidade de penetração dos raios X, de tal maneira que se você estiver sem proteção a 2,5 metros de distância a capacidade de penetração do feixe é tão baixa que equivale a proteção de um avental de chumbo.

Sempre que for necessário acompanhar dentro da sala a realização de um exame que emita raios X, exija a proteção de avental de chumbo e de pescoço, mantenha os braços para trás e fique o mais distante possível do tubo.

Existem dois tipos de efeitos indesejáveis que podem ser causados pela radiação. Os efeitos agudos são extremamente raros hoje em dia graças ao avanço da tecnologia e do conhecimento sobre a radiação. O outro efeito, crônico e cumulativo, é difícil de quantificar e de ser comprovado. Existe um aumento teórico do risco de tumores que é proporcional a dose de radiação absorvida e que podem demorar até 40 anos para aparecerem. Como mencionado, é difícil isolar na prática a real participação dos exames de imagem nesse risco, uma vez que a radiação ionizante está presente em fontes naturais, como na luz do sol.

Existe uma diferença entre a quantidade de radiação emitida pelo aparelho e a quantidade de radiação efetivamente absorvida pelo paciente. A absorção da radiação varia com a idade, por conta da composição corporal. Crianças menores que 1 ano absorvem aproximadamente 3x a radiação de um adulto; e crianças entre 1-5 anos, absorvem aproximadamente o dobro de um adulto. Por esse motivo, existe uma grande preocupação com a dose de radiação nas crianças.

Na Tesla Diagnóstico por Imagem, dispomos de um aparelho de Tomografia Computadorizada Multislice de última geração e de software de reconstrução iterativa que, aliados à grande experiência da nossa equipe médica em Radiologia Pediátrica, nos permite realizar exames com o mínimo de dose de radiação que seja efetivo para chegar ao diagnóstico.

Por |2017-10-30T00:09:00+00:007 de agosto de 2017|1 Comentário

Sobre o Autor:

Avatar

Um Comentário

  1. Avatar
    Luciano Pires de Souza 12 de junho de 2019 em 20:42 - Responder

    Sabemos que o exame de ultrassom é feito através de ondas sonoras. Essas ondas sonoras podem ser consideradas como radiação NÃO ionizantes?

Deixar Um Comentário