Câncer de Próstata

Início/Exames/Câncer de Próstata

Câncer de Próstata

Introdução ao câncer de próstata

O câncer de próstata é o segundo mais comum nos homens e o responsável pela morte de 13 homens por ano no Brasil. A cada 7 homens, 1 irá ser diagnosticado com câncer de próstata em sua vida.

O rastreamento é feito pelo toque retal e pela dosagem do PSA no exame de sangue. Quando houver alteração em um dos dois, haverá a suspeita de câncer de próstata. Nesse caso, a Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata pode trazer grandes vantagens na detecção, localização e extensão de um possível tumor.

Nem todo câncer de próstata precisa ser operado e tratado com quimioterapia, radioterapia ou bloqueio hormonal. Existem graus de agressividade, ou de malignidade, do tumor que é classificado pela biópsia (Escala de Gleason). Esta análise só pode ser feita pela biópsia. Entretanto, quando não é encontrada área suspeita pela Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata, a biópsia pode ser evitada no primeiro momento pois, se houver um câncer, provavelmente ele é do tipo menos agressivo, podendo ser acompanhado anualmente – Vigilância Ativa.

Quais as vantagens da realização da ressonância magnética da próstata?

  1. Nem todo nódulo palpável é câncer e nem todo aumento do PSA ocorre por câncer! Portanto, a Ressonância Magnética da Próstata pode ser utilizada para verificar se realmente há alguma área suspeita para câncer na próstata que mereça realmente ser biopsiada; 
  2. Quando há a suspeita de câncer de próstata deve-se realizar a biópsia. Entretanto, a biópsia geralmente é realizada “às cegas”, ou seja, é colhido material aleatório de 12 agulhadas que é capaz de avaliar apenas uma pequena amostra da próstata. Dessa maneira, há um risco razoável de haver câncer na próstata e não ser detectado pois a biópsia não atingiu o local do câncer. A Ressonância Magnética da Próstata tem importante papel em detectar o local onde pode estar o câncer para que a biópsia seja feita no lugar suspeito, diminuindo a necessidade de biópsias repetidas e evitando que a biópsia seja feita em pacientes que não apresentam área suspeita para câncer. 
  3. Não basta saber que um câncer está presente na próstata! Precisamos saber qual seu tamanho, onde ele está, se cresce para fora da próstata, se invade outros órgãos e sem tem metástases para os linfonodos (gânglios).  Essa é outra grande vantagem de se realizar a Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata, pois, através das imagens geradas, conseguimos dar todas essas informações que serão de extrema importância no planejamento do tratamento.

Quando a ressonância magnética da próstata pode ser realizada?

  • Como explicado anteriormente, recomendamos que a Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata seja realizada sempre que houver a suspeita de câncer de próstata, seja através do aumento do PSA, seja através de alguma alteração percebida pelo médico durante o toque retal. Também é recomendada a realização da ressonância magnética quando já houver o diagnóstico de câncer para poder planejar o melhor tratamento para cada caso.

Quais as contra-indicações para a realização da ressonância magnética da próstata?

  • As contra-indicações absolutas são as mesmas para qualquer exame de ressonância magnética e incluem: marcapasso cardíaco, desfibrilador implantável, implantes cocleares, fixadores ortopédicos metálicos, neuroestimuladores e moduladores, cateteres com eletrodos ou com dispositivo eletrônico, monitor de pressão intracraniana, clipes de aneurisma ferromagnético, corpo estranho metálico intra-ocular, e Clamp carotídeo do tipo Poppen-Blaylock. 

    Na verdade, qualquer artefato metálico deve ser informado para que cada caso seja analisado. Hoje existem muitos produtos que são compatíveis com a Ressonância Magnética. Por isso, é muito importante guarder o certificado de garantia do fabricante quando houver algum desses dispoitivos para podermos saber se são ou não compatíveis.

Como é feita a ressonância magnética multiparamétrica da próstata?

  • Existem duas maneiras da Ressonância Multiparamétrica da Próstata ser feita. De acordo com o Colégio Americano de Radiologia, o exame pode ser realizado sem bobina endorretal em aparelhos de Ressonância Magnética de 1.5 Tesla ou 3.0 Tesla de última geração e com configuração topo de linha, ou com bobina endorretal em aparelhos de Ressonância Magnética de 1.5 Tesla com configurações inferiores.Como dificilmente os pacientes terão acesso às informações necessárias para julgar a qualidade dos aparelhos, é de extrema importância realizar seu exame em local de referência, que conte com a sua confiança  e do médico solicitante. A bobina endorretal é um aparelho introduzido pela via anal, após lubrificação adequada com anestésico, que serve para melhorar a qualidade da imagem. Naturalmente, há um incômodo na introdução da bobina, mas nada que costume impedir a realização do exame.

    Na Tesla, nosso aparelho de Ressonância Magnética apresenta a melhor configuração comercialmente disponível, o que nos capacita a realizar o exame de Ressonância Magnética da Próstata sem a bobina. Mas também dispomos da bobina endorretal para casos especiais, onde queremos aumentar ainda mais a qualidade da imagem.

    Com ou sem a bobina, o paciente sera posicionado no interior da máquina, será administrado um contraste na veia e o exame demora cerca de 40 minutos. Para maiores detalhes veja nosso artigo específico de como funciona a Ressonância Magnética.

Procure seu medico e converse com ele sobre essa estratégia para detecção e caracterização das lesões quando houver a suspeita de câncer de próstata.

Sinta-se a vontade para conversar com o nosso médico radiologista especialista em imagem da próstata para esclarecer suas dúvidas.

Por |2018-02-06T01:22:20+00:0019 de dezembro de 2017|0 Comentários

Sobre o Autor:

Avatar

Deixar Um Comentário